400 apartamentos no Jardim Mangueiral estão prontos, mas vazios

Projeto de habitação que deveria ser modelo não foi entregue. Dos 15 condomínios previstos, apenas um está pronto. São 400 apartamentos, mas ninguém recebeu a chave de casa.

Localizado a 15 minutos do Plano Piloto, o Jardim Mangueiral é uma área cobiçada e as obras no local estão a todo vapor. O bairro, que fica perto de São Sebastião, foi a primeira parceria público privada no DF para programas de habitação.

As casas e apartamentos seriam destinados para a população de baixa renda, para pessoas que ganham até três salários mínimos, mas os planos mudaram. De acordo com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional (Codhab), só é selecionado para ter um imóvel no Jardim Mangueiral quem ganha a partir de R$ 4 mil.

“Esse modelo não vai dar certo porque as pessoas que não são de baixa renda vão conseguir comprar imóveis lá. O governo artificialmente criou uma ilha e está vendendo ali a preços muito menores que de mercado. Ou seja: praticamente todo mundo no DF quer comprar um imóvel lá”, destaca o professor do Ibmec Adolfo Sachsna.

Um apartamento de dois dormitórios térreo custa R$ 89 mil. O valor está dentro do teto estabelecido para pessoas que ganham até três salários mínimos, mas o comprador tem que dar uma entrada de quase R$ 20 mil - dinheiro que uma pessoa que ganha R$ 1,5 mil por mês dificilmente teria como dar à vista.

Júnio Carvalho e Edilene Félix foram pré-selecionados pela Codhab para morar no Jardim Mangueiral. O casal já morou no DF, mas o valor do aluguel de uma casa para eles e os dois filhos subiu muito além do orçamento e obrigou a mudança para a Cidade Ocidental. “Morar lá no DF é caro, para você morar bem é caro. Aqui é longe, mas a gente mora confortável, numa casa de três quartos, a gente mora bem aqui”, conta a dona de casa.

Uma pesquisa feita pelo Sindicato das Imobiliárias em parceria com a Universidade de Brasília mostra que o valor médio do aluguel de um apartamento de três quartos no Guará é de R$ 1,6 mil. No Cruzeiro, onde Júnio e Edilene chegaram a morar, o preço do aluguel é de R$ 1,2 mil.

“Eu sempre tive o sonho de comprar uma casa lá em Brasília, mas vejo o Mangueiral agora como uma oportunidade: um imóvel com preço mais em conta que daria para gente comprar na atualidade”, afirma Júnio.

Mesmo com vantagens aparentes, todo cuidado é pouco na hora do financiamento. Os bancos aceitam um comprometimento de até 30% da renda familiar para a compra da casa própria, mas o economista Roberto Piscitelli alerta para o risco de endividamento, principalmente quando se fala em longo prazo e pra população de baixa renda.

“É preciso considerar que além desses 30% há muitas outras despesas fixas difíceis de comprimir e que comprometem uma outra parte do orçamento doméstico. Eu acho que se deveria comprometer algo entre 15% e 20% no máximo da renda familiar”, recomenda.

Sobre o Jardim Mangueiral, a Codhab informou que nenhum apartamento foi entregue porque uma força tarefa teve que revisar todos os contratos, pois havia suspeita de favorecimento para alguns contemplados. O trabalho terminou e foi publicada nesta quinta-feira (02) no Diário Oficial a lista dos 400 contemplados, que terão 30 dias para reapresentar documentos.

Amanhã, na última reportagem da série, o repórter Fred Ferreira conversa com especialistas que apontam soluções para o problema da habitação no DF.

Acompanhe a reportagem

Reportagem exibida no dia 02 de dezembro de 2010 no DFTV 1ª Edição
Tecnologia do Blogger.