São Sebastião ganha ponto de cultura

Valorizar a cultura a frodescendente , fortalecer a cidadania, a educação e o desenvolvimento humano são os objetivos do Instituto Cultural Congo Nya, uma Organização Não-Governamental que desenvolve projetos nas áreas de educação, artes, esporte e cultura voltados, principalmente, para a comunidade de São Sebastião (DF).

Fundado em 2003, o instituto oferece aos moradores da cidade aulas de percussão, corte e costura, dança, teatro, reforço escolar, entre outros. Tudo envolto num cenário cultural africano.

O trabalho é feito por um grupo de quatro pessoas e conta com o auxílio de cerca de oito voluntários. Reconhecido pelo Ministério da Cultura, no dia 29 de setembro de 2009, o Instituto Congo Nya se tornou um ponto de cultura.

Entretanto, o reconhecimento não resultou em melhorias para a instituição. Os responsáveis pelo Congo Nya lamentam a falta de recursos. “É difícil manter a ONG funcionando. Ela é sustentada por pessoas carentes. Sem ajuda fica difícil pagar as contas básicas, de telefone e água, por exemplo. Precisamos de contador, de mais voluntários, de pessoas que nos ajudem a pagar as contas”, diz Margot Ribeiro, uma das fundadoras do instituto.

Ela explica que quando uma ONG se torna ponto de cultura, o Ministério da Cultura passa a destinar uma verba para os trabalhos promovidos pela instituição. Mas, segundo Margot, eles ainda não podem usar esses recursos. “Estão corrigindo uma falhas na legislação para liberar a verba”, esclarece.

O Ministério da Cultura explica que o atraso no pagamento é decorrente da legislação eleitoral e do atual contingenciamento, mas garante que o pagamento será normalizado no próximo mês.

Diversidade
Enquanto a situação não se resolve, o Congo Nya é sustentado pela boa vontade de alguns voluntários e pelas poucas apresentações que os grupos de arte do local fazem pela cidade.

Na tarde de ontem, o projeto Mais Educação, do Ministério da Educação, em parceria com o Centro de Ensino Médio 01 (CEE) de São Sebastião, e com o Instituto Congo Nya promoveu o dia da Consciência Negra. Com o objetivo de valorizar a cultura africana e extinguir o preconceito, alunos se vestiram com roupas típicas de paises africanos e desfilaram na passarela improvisada no pátio do colégio.

“Esse evento vai fazer com que eles tenham um contato maior com a cultural africana. Assim eles saberão que é importante se conscientizar sobre a diversidade e respeitar a todos”, afirma a vice-diretora do CEE, Rosângela Toledo.

Vestidos com roupas confeccionadas pelo Congo Nya, 22 adolescentes, entre meninos e meninas, se caracterizaram e desfilaram representando os povos da África. “É um projeto que visa valorizar e fazer com que as pessoas conheçam a cultura da África e respeitem o povo. O negro é marginalizado, é visto como bandido. É uma questão de educação”, diz o presidente da ONG, Siherwin Morries.

Saibda Mais
Ponto de Cultura são entidades reconhecidas e apoiadas financeira e institucionalmente pelo Ministério da Cultura, que desenvolvem ações de impacto sociocultural em suas comunidades.

Em abril de 2010, eram 2,5 mil pontos de cultura em 1.122 cidades brasileiras. Quando firma convênio com o MinC, a instituição recebe R$ 185 mil, em cinco parcelas semestrais.
Para contribuir com o Congo Nya o e-mail é congonya_iccn@yahoo.com.br.
Tecnologia do Blogger.