Sistema Falido de Transporte Público

Passa ano, passa eleição, passa governo e a única coisa que não passa é o transporte público no Distrito Federal. Passar até que passa, mas só se tiver cartão ou dinheiro. Se você não possuir cartão e tem dinheiro, ótimo, tem uns "caras" logo ali na Rodoviária que eles te emprestam um cartão. Se a passagem for R$ 2,50, eles fazem por R$ 2,00 e você ficao com ele pelo tempo de passar pela catraca eletrônica e devolvê-lo na primeira janela aberta. O sistema fácil que pretendia dar mais clareza no recolhimento, do governo, das empresas de ônibus acata mais uma falha dessas. O pessoal do "vale-ticket" voltaram com o cartão fácil. E a falha é divulgada até na internet, vejam:



Isso já é demais! Não! Essa semana ao entrar em um ônibus, da linha 197.3, da Rodoviária do Plano para São Sebastião, quando fui passar o meu cartão, observei que a catraca estava liberada e o cobrador me orientou que eu passasse e que tinha que liberá-la novamente. Eu disse não, porque já estava liberada. Ele simplesmente disse que então eu deveria pagar com dinheiro. Sem entender, fiquei na frente e esperei que alguém com dinheiro pagasse para eu passar.

Depois de alguns minutos passou um senhor e pagou com dinheiro e finalmente pude passar o meu cartão e passar pela roleta. Segundos depois, eis a minha surpresa: simplesmente, acho que os mesmos que vendem esses cartões no site Mercado Livre, passou o cartão no leitor da catraca e simplesmente saiu. Dedução, o cobrador também está envolvido neste esquema e não foi difícil de descobrir. Vejamos:

- A pessoa que possui o cartão, libera a catraca, quem chega e paga com dinheiro entrega para o cobrador que posteriormente divide com o dono do cartão.
- Se eu for pagar com o cartão, eu passo e libero com o meu cartão, assim ele não fica no prejuízo e próximo que pagar com dinheiro passa normalmente e ele fica com o lucro.

Resultado: o sistema Fácil, ficou fácil demais!

É meus amigos, é isso mesmo, o sistema de transporte público do DF faliu e ninguém se deu conta disso ou não querem encarar de fato a realidade. Os vestígios dessa falência estão nas reinvindicações da comunidade, em especial aos moradores, de Planaltina e da região do Entorno, entre eles Pedregal e Santo Antônio do Descoberto. Esses, já sem condições de suportar a crise do transporte e cansados de cobrar melhorias que há quase cinco anos não resolvem nada, tomaram a forma mais radical da revolta: atearam fogo nos ônibus.

Para muitos isso é vandalismo e logo aparecem com aquele pensamento praxe: "já não tem e ainda queimam os que tem". Talvez essa não seja a forma correta de protestar algo, mas vocês já se perguntaram quantas formas de protestos já foram gastas e nada foi feito? E quem disse que queimando ônibus não vai resolver nada? É certo que é um ônibus a menos para a população, mas é um prejuízo gigantesco para a empresa de ônibus, que ganha milhões do governo e não oferece nada em troca para a comunidade.Todos já chegaram ao limite, nós já chegamos ao estopim e estamos em um cerco que não temos para onde ir. Literalmente porque não tem ônibus.

A gestão do Governo Arruda foi a época em que os banners nas traseiras dos ônibus, nas tv e jornais estampava magnificamente "Mil novos ônibus sem aumento de passagem" e ainda estampava a redução do preço da passagem das linhas São Sebastião e Paranoá. Mas hoje me pergunto, cadê esses novos mil ônibus que sumiram? De vez em quando vejo meia dúzia  rodando que parece ser novo pelo fato de terem umas televisões de lcd dentro deles com propraganda de São Paulo. Acho que nos ônibus velhos não tem. E falando neles, eles voltaram. Sim os ônibus velhos voltaram no Governo de Agnelo.


Ônibus da linha São Sebastião/W3 Sul quebrado.


Segundo motorista e cobradore, os ônibus novos foram trocados pelos velhos
 
Vazamento de óleo foi a causa da quebra do ônibus


Quando achávamos que o Governo de Agnelo iria alavancar o Distrito Federal com a integração entre ônibus, microônibus, metrô, vejo um retrocesso para mais de 4 anos. É incrível como todos os ônibus velhos voltaram a circular. Eles voltaram em pouca escala, mas tiraram os ônibus novos. Ou seja, tiraram os ônibus novos e colocaram os velhos em menor quantidade. Segundo informações dos próprios motorista e cobradores, os empresário tiraram os ônibus novos e colocaram os velhos que estávam parados. Simplesmente os novos estão apenas fazendo linhas circulares na regiãodo Plano Piloto. Resultado: na subida de Morro Azul para a região central do Plano não é difícil contar os números de ônibus no acostamento quebrados e o aglomerado de pessoas esperando o próximo ônibus.


O governo acostumou a criar projetos emergênciais e não projeto visados para o futuro. O sistema de transporte não é algo que seja fácil de fazer voltar a funcionar, mas basta fazer o levantamento de dados, verificar a demanda das linhas. A criação de corredores para todas as Regiões Administrativas, a integraçãodo tranporte público e a Estatização já seria uma forma de ameninzar a situação e fazer todos a optar pelo transporte público. A Estatização é viável sim, como forma preventiva contra os empresários do setor de transporte. A TCB pode e deve a voltar a circular no DF, com novos ônibus e controlados pelo governo. A empresa estatal poderia por exemplo fazer as linhas de corredores fazendo ligação direto com o Plano Piloto.

Projetos, exemplos e idéias é o que não faltam para o transporte público funcionar e ser utilizado realmente pela população. Mas basta um olhar mais severo do Estado com os empresários do setor, que ganham muito e cobram uma passagem abusiva, que faz gerar desemprego e miséria para nossa população.

Por Getúlio Francisco
Tecnologia do Blogger.