Venda ilegal de terrenos no Café Sem Troco

Terrenos são de Área Ambiental do Planalto Central, em São Sebastião. Suspeitos já tinham demarcado lotes, avaliados entre R$ 8 mil e R$12 mil.


Agentes da Secretaria da Ordem Pública e Social (Seops) e da Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema) da Polícia Civil prenderam em flagrante, na noite desta segunda-feira (16), dois homens suspeitos de vender terrenos localizados em área pública no Distrito Federal. Os homems estavam no km 33, da DF-130, região conhecida como Núcleo Rural Café Sem Troco, em São Sebastião. A área é considerada de Preservação Ambiental do Planalto Central.

O Núcleo Rural Café Sem Troco, segundo a fiscalização do GDF, sofre tentativas constantes de parcelamento ilegal do solo. Fiscais da Seops informaram que um dos suspeitos se passava por filho de um suposto proprietário do terreno, que pertence à Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap).

No mometo da prisão, os fiscais flagraram o homem negociando lotes para um outro homem que se identificou como corretor de imóveis. Segundo a Seops, cada lote tinha entre 200 a 400 metros quadrados e estavam avaliados entre R$ 8 mil e R$12 mil.

Com os homens foram encontrados cópias de cessão de direito, uma espécie de documento de transferência de propriedade ilegal; notas promissórias; uma relação de nomes de compradores; um talão de cheques assinado e mapas do loteamento. Na área demarcada houve destruição da vegetação nativa para abertura de ruas e demarcação de piquetes, segundo os fiscais da Seops.

Os acusados foram levados para a delegacia. De acordo com a polícia, o corretor tinha passagens por estelionato e parcelamento irregular de terras. A polícia disse que os dois homens vão responder pelos crimes de parcelamento irregular do solo e dano ambiental, com pena de um a cinco anos de reclusão.

Terreno já estava demarcado com cercas. Os lotes eram avaliados entre R$ 8 mil e R$ 12 mil
Via: G1/DF

Tecnologia do Blogger.