Em São Sebastião, as invasões estão por todas as partes



Os invasores e grileiros não tem dado trégua as terras do Distrito Federal. Em São Sebastião, foram tomadas por cerca de 500 famílias entre quatro a cinco hectares de área pública – equivalente a mais de 40 mil metros quadrados –, localizados nos bairros São Francisco e Bela Vista. De forma organizada, os ocupantes estão demarcando o terreno com arames desde o último sábado (14), além de levantar barracas. O Governo do Distrito Federal (GDF) já adiantou a retirada dos invasores nos próximos dias, através da Agência de Fiscalização do DF (Agefis) e demais órgãos responsáveis.

Segundo o administrador substituto de São Sebastião, Jucélio Moreno, a situação tomou medidas de grande proporção em um curto espaço de tempo. Na última terça-feira (17), a administração encaminhou ofícios à Agefis, Secretária de Ordem Pública (Seops), Coordenadoria de Cidades e Secretaria de Habitação (Sedhab) informando sobre o problema. “Agora cabe aos órgãos competentes agirem”.
Enquanto isso, a expectativa dos ocupantes é do número de invasores crescer mais a cada dia. Eles alegam serem todos moradores de São Sebastião, vindos de comunidades carentes e em situação de miséria. Germano Lopes é um dos moradores que falou pelos ocupantes. Segundo ele, muitas das famílias não possuem uma renda fixa para se manter, e não têm acesso aos programas do governo. “Há uma área de 8 mil metros prometida há anos em São Sebastião, mas entra e sai governo e não cumprem a promessa. Agora nos manteremos aqui, por essas famílias que não têm condição de se manter”, apontou Germano.
A Agefis informou que a operação de retirada será executada para garantir a saída pacifica dos ocupantes. A Seops também está monitorando a área. Os invasores pretendem se reunir no próximo domingo (22) para organizar quais ações adotarão. O governador Agnelo Queiroz declarou não tolerar invasões de terras públicas, priorizando a regularização das cidades. “Vamos regularizar, mas já avisamos que não vamos tolerar invasão de terras públicas.
Estamos trabalhando com muita seriedade pela legalidade, para organizar esse processo de regularização da ocupação desordenada que se arrasta há décadas aqui em Brasília. Isso traz insegurança para os moradores e para o governo. Estamos dando um basta nessa situação”,  garantiu.
A Sedhab esclareceu que a região administrativa de São Sebastião, assim como muitas outras no DF, está em processo de regularização. O projeto já venceu algumas fases: a caracterização da área, com a identificação de todas as edificações da cidade, incluindo as residências e equipamentos públicos, bem como a identificação das áreas de preservação ambiental e de interesse ambiental. Cerca de 70 mil moradores da região administrativa serão beneficiados com a regularização. É estimado pela pasta que um terço da população do Distrito Federal vive em áreas irregulares.
Invasões dentro da cidade
Em São Sebastião invasões de moradores nos espaços ociosos entre as quadras. O Bairro Residencial Oeste foi o local em que mais se apresentava o problema, com barracos de madeirite improvisados pelos invasores. Algumas ficando até mesmo entre casas, prédios comerciais e na praça pública.
De acordo com a administração da cidade, o problema foi detectado desde o ano passado em certos pontos. Em alguns locais, a situação ocorre há cinco anos. Em nota, a administração de São Sebastião salientou que “os dejetos oriundos dessas casas são despejados em via pública, causando grande insatisfação por parte dos moradores daquela quadra residencial”. Contudo, ressaltou que como a administração não tem poder de fiscalização, autuação e notificação, qualquer medida para evitar tal situação é de competência da Agefis.
Tecnologia do Blogger.