Moradia longe do centro de Brasília vira alternativa

Residencial Damha

Em vista do déficit imobiliário de Brasília, a cada dia mais pessoas saem do centro da cidade e vão para locais mais afastados. Alguns dos destinos são os condomínios Alphaville, Damha e Santa Mônica, localizados na rodovia DF-140, a 20 minutos da Ponte JK.

De acordo com o vice-presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do DF (Ademi-DF), Eduardo Aroeira, o Plano Piloto é limitado por causa do tombamento. “Por causa disso, com exceção do Noroeste, a população está migrando para outros lugares, tanto para condomínios como para outras cidades satélites”, explicou.

Para o diretor comercial da Urbanizadora Damha, Luiz Lissner, a relação entre centro urbano e oferta de imóveis é a causa do déficit de moradias na capital. “Quanto maior o centro, menor é a oferta de moradias de qualidade, sobretudo em termos de loteamentos fechados. O mercado imobiliário em Brasília enfrenta uma crise, pois houve uma sobreoferta de imóveis, preços inflados, comprometendo a renda da população e revertendo o mercado”, diz.

O valor mais acessível aliado à qualidade de vida que os condomínios oferecem também são  pontos que chamam atenção. “O Plano Piloto, por ter uma oferta reduzida de imóveis, com poucas áreas à venda, o valor fica elevado. Isso limita o número de pessoas com capacidade financeira de adquirir imóveis”, relatou Eduardo Aroeira. 

Potencial
Segundo Lissner, o público-alvo do condomínio é a classe média. “Existe uma parte da população que tem potencial para adquirir lotes oferecidos, já que os preços variam entre R$ 130 mil e R$ 230 mil”, relatou.

Qualidade de vida e segurança
Outro ponto abordado pelo vice-presidente da Ademi-DF é a  segurança e qualidade de vida. “Os imóveis mais afastados do centro normalmente são condomínios fechados, o que aumenta a segurança do local”, disse. “Com relação à qualidade de vida, normalmente os condomínios têm piscina, salão de festa, academia, cinema, entre outros, que proporcionam maior conforto para o morador”, concluiu.

Área verde
O corretor de imóveis da Urbanizadora Damha, Marcelo José da Silva, confirma a busca por melhor qualidade de vida. “Muita gente está migrando para cá para sair do estresse do dia a dia. Já recebi pessoas que moram em Águas Claras, mas estão investindo aqui porque querem mais tranquilidade”, disse.

Além de todos os benefícios do condomínio, ele possui uma reserva ecológica de 30 mil metros quadrados. “Esse contato com a natureza também é um dos fatores que proporcionam melhor qualidade de vida”, disse o corretor. 

Comprador tem perfil diversificado
Segundo o diretor comercial da Damha, Luiz Lissner, há alguns perfis de clientes que buscam esse tipo de empreendimento. “Estão profissionais que trabalham nos vetores de crescimento econômico e que hoje enfrentam grandes deslocamentos para trabalhar. Também estão aqueles que querem fazer investimento em um ativo seguro, em um primeiro momento, mas que depois se encantam com o empreendimento pronto e resolvem fazer dali a sua moradia. Estão também casais novos, que já têm imóvel próprio, mas que querem mais qualidade de vida”, observou.

Localizado a 19 km do centro de Brasília, o condomínio Santa Mônica tem lotes de até mil metros quadrados. O condomínio fica no meio da Reserva do Tororó e é cercado por uma paisagem totalmente natural, com árvores e nascente. “A vantagem é morar junto à natureza e perto da cidade”, ressalta o diretor comercial da JC Gontijo, Gustavo Reis. O local já é todo escriturado e com rede de água e esgoto.

O condomínio tem piscina, sauna, churrasqueira, academia, quadras poliesportivas e salão de festa. “Acreditamos que vai virar um eixo de Brasília”, disse Gustavo.

Tecnologia do Blogger.