Tragédia anunciada

Após ser acertado pelo caminhão, ônibus bateu em um carro
Placas de alerta para a descida íngreme da pista, quatro pardais para vigiar o limite de 60km/h, quatro quebra-molas. Nada disso foi suficiente para impedir uma calamidade em São Sebastião. A pista principal da cidade tornou-se palco de mais uma tragédia. Um acidente envolvendo um caminhão, um ônibus, uma van e dois carros acabou com quatro mortos e quatro feridos, ontem, por voltas das 10h30.O desrespeito às leis de trânsito na via é antigo. Os moradores da região contam que é comum ver veículos circularem por ali muito acima da velocidade permitida. “Vários carros passam muito rápido. Até atravessar a rua é perigoso”, relata o aposentado Gilson Pereira, 52 anos.

A van foi o primeiro carro atingido pela carreta desgovernada
A colisão que envolveu cinco automóveis foi causada pelo caminhão. Desgovernado, ele bateu na van, que perdeu o controle e atropelou e matou dois pedestres — Ronan Silva, 36 anos, e Nelson Souza, 33. Após a primeira batida, a carreta não parou. Acertou um ônibus, que bateu em um Siena e em uma Hylux. O motorista do veículo de uma transportadora de bebidas, Carlos Augusto Santos Amaral, 34 anos, e os dois ajudantes que o acompanhavam, José Acioli Sobrinho, 57, e Nivaldo dos Santos, 55, ficaram presos nas ferragens. Os dois últimos morreram no local do acidente.

O condutor foi encaminhado de helicóptero para o Hospital de Base, com diversas fraturas. Ele passa bem. O responsável pela van, Alan Ribeiro, 36, também foi para o Base, mas recebeu alta ontem mesmo. No ônibus, Ivan Araújo, 21, e Jonas Magalhães, 52, saíram machucados. Eles foram para o Hospital do Paranoá com escoriações leves e liberados logo em seguida.

Rubiano Silva, de 37 anos, desconfiava que o irmão, Ronan, estava entre as vítimas. Apreensivo, soube do pior no fim da tarde. “Amanhã (hoje) iremos ao Instituto Médico Legal resolver as burocracias. Estamos muito abalados”, lamentou. No Hospital de Base, o condutor do caminhão que causou o estrago segue internado. Apesar de ter fraturado as duas pernas, ele se encontra estável, mas sem previsão de alta.

Sem freio
As duas vítimas atropeladas pela van morreram na hora

O veículo da transportadora de bebidas só parou após capotar
O trânsito foi desviado no local e a CEB teve que acionar equipes para consertar 14 postes derrubados pelos veículos (leia mais na página 30). O frentista Jackson Douglas Aires, 32 anos, é morador de São Sebastião e trabalha no posto de gasolina que fica à beira da via. Ele também confirma que é corriqueiro ver carros em alta velocidade na região. “Mesmo com as lombadas, eles não pisam no freio”, afirma. Um dos colegas de Jackson atravessou a rua minutos antes da tragédia — ele pode ser visto nas filmagens do circuito de segurança do posto. “Dois minutos antes, ele teria sido uma das vítimas”, acredita Jackson. 

As vítimas
» Nivaldo Crethon dos Santos, 55 anos (estava no caminhão)


» José Acioli Sobrinho, 57 anos (estava no caminhão)

» Nelson de Souza Moura, 40 anos (pedestre, pedreiro e morador de São Sebastião)

» Ronan Silva, 36 anos (pedestre, pintor, mas não identificado oficialmente pela polícia)
Tecnologia do Blogger.