Moradores relatam quedas constantes de energia no bairro Morro da Cruz


Moradores do Morro da Cruz, em São Sebastião, relatam que a falta de energia se tornou um problema constante nas últimas semanas.  Indignados, procuraram a reportagem do JBr. para denunciar o problema. No entanto, a Companhia Energética de Brasília (CEB) aponta a origem dos transtornos: gambiarras na rede. 
Roberto Lopes, 36 anos, é proprietário de um supermercado na região  e acumula prejuízos. “No fim de semana retrasado, a luz acabou e todos os sorvetes e picolés que eu tinha   descongelaram. Muitos estragaram e não servem mais para vender. Foram mais de 24 horas sem energia. Nos dias anteriores, a energia não acabou totalmente, mas ficava indo e voltando”, relatou.

Perdas
De acordo com o comerciante, na  quarta-feira da semana passada, em um período de uma hora, a energia caiu mais de dez vezes. Além de temer pela qualidade dos produtos do  mercado, Roberto tem medo de perder   eletrodomésticos. 
“A oscilação pode queimar meus refrigeradores e freezers. Para não estragar a carne, tenho deixado tudo estocado em um freezer fechado, tirei da vitrine porque, quando a luz acaba, o refrigerador não mantém a temperatura”, explicou.
O comerciante afirma que já procurou a CEB várias vezes, mas sempre é informado de que não é possível fazer nada porque a área não é regularizada. 
“Eles orientam a gente a procurar as autoridades e cobrar infraestrutura no nosso bairro. Independentemente de ser regularizado ou não, eles não podem negar atendimento. Na semana passada,   a situação ficou insustentável e quem arca com o prejuízo é a população”, reclamou. 
Roberto denuncia também a falta de iluminação nas ruas, o que facilita a ação de bandidos. Ele teve o supermercado invadido e um prejuízo de mais de R$ 10 mil.

Atividades cotidianas prejudicadas
Rosineide Borges, 31 anos, é cabeleireira e tem um salão de beleza no Morro da Cruz. Com a queda constante de energia elétrica, ela fica praticamente impedida de trabalhar, pois necessita de vários aparelhos ligados na tomada. Em dias de mais movimento, ela não consegue atender.
“É impossível trabalhar em um salão de beleza sem energia elétrica. Há dias em que tenho que desmarcar alguns clientes. Durante a semana, a luz oscila o dia inteiro, não firma de jeito nenhum. A situação piora nos horário de pico”, afirmou.
Segundo Rosineide, quando ela reclama com a CEB, os funcionários alegam que a rede fica sobrecarregada por causa da grande quantidade de gambiarras, o que resulta nas quedas de energia.  A cabeleireira já teve seu salão assaltado duas vezes e explica que a situação é propícia, pois a iluminação pública não funciona.

Equipamentos queimados
A dona de casa Cristina Silva, 39 anos, tem três filhos pequenos e conta que a falta de luz atrapalha muito, pois ela precisa cozinhar para as crianças e, no escuro, fica complicado. Além disso, ela tem medo de ter um de seus eletrodomésticos queimados. “Uma colega da minha filha disse que as duas geladeiras de casa queimaram. Por segurança, tiro tudo da tomada”, disse.
Cristina explica que o problema começou   semanas atrás e, desde então, a energia tem tido várias quedas, principalmente à noite, a partir das 19h. “Pagamos caro para ter energia em casa e não adianta nada. Quando ligamos para reclamar, os técnicos até vêm aqui, mas não resolvem o problema e ficamos sem luz”, desabafou.

Versão oficial
Em nota, a CEB informou que as constantes quedas de energia são ocasionadas pelas gambiarras, conhecidas como “gatos”, que os moradores produzem para ter luz elétrica gratuita, o que faz com que os circuitos transmissores não aguentem. Devido à falta de regularização do setor, a CEB fica impossibilitada de criar novas redes.
A companhia esclareceu que a subestação de São Sebastião é suficiente para atender os moradores e acompanhar o crescimento da região, mas que a energia só funcionará bem no Morro da Cruz após a regularização do setor ou o passivo de regularização. Sobre a falta de iluminação pública, a CEB reiterou que o problema ocorre devido aos gatos.
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília
Tecnologia do Blogger.